Como combater a Candidíase nas aves (sapinho).

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Botão em Curso Como combater a Candidíase nas aves (sapinho).

Mensagem por MARTÍN em Ter 27 Ago 2013, 16:14


A Candidiase é uma doença que tem feito muitos estragos nas criações de aves em geral, e, muito especialmente, na de pássaros de médio e pequeno porte. É causada por um fungo que tem o nome de “Candida Albicans”. Aparece de quando em vez em qualquer tipo de criadouro, mesmo naqueles que seguem padrões de higiene, mas que se esquecem, porém, de alguns detalhes.

Acontece quase sempre em casos individuais e por sorte nossa, raramente, aparece como uma Pandemia ou surto. É caracterizada pelo aparecimento de pequenas placas algodoadas, nas laterais dos bicos, na cavidade da boca ou até mesmo nos papos das aves. É uma doença muito parecida com as que ocorrem no ser humano, que nestes casos são popularmente chamadas de sapinho, muito comuns em crianças que tomam mamadeiras e estas não sofrem processo de desinfecção corretamente.

Quando acontece nos cantos dos bicos e até mesmo na cavidade bucal, seu tratamento pode ser iniciado por uma raspagem, que se bem criteriosa, retirando toda a placa, poderá haver uma cura com mais eficiência. É uma doença muito comum em aves que passaram por um processo agudo de estresse, por muda, viajem longa, sustos com predadores, ou troca simples do tipo de alimentação, e o mais comum, em aves debilitadas por qualquer enfermidade infecciosa, cujo tratamento foi feito com uso de antibióticos por tempo muito prolongado.

É a doença que tem matado muitos beija-flores que são alimentados artificialmente com bebedouros contendo água açucarada, e como disse, não são limpos adequadamente, formando placas de fungos nos bicos destes bebedouros, por onde pássaros introduzem a língua para captura do líquido e nestas maravilhas da natureza, o tratamento é muito dificultado por razões óbvias.

Tratamento: nas aves maiores o tratamento é relativamente fácil, começando por uma criteriosa raspagem das colônias de fungos, presentes, nos cantos dos bicos, ou dentro da cavidade bucal, já quando nos papos esta manobra é praticamente impossível. Hoje a terapêutica nos ajuda muito, pois além de bons resultados com Nistatina, temos excelentes resultados com Azul de metileno e centenas de outros antifúngicos de uso local ou oral.


Doutor Dário Lopes - Médico Veterinário - CRMV-MG 2011, de Minas Gerais, é especializado em Extensão e Administração Rural (Emater-MG), avicultura industrial Granja Novo Horizonte




[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]Antes de iniciar um tópico ou começar sua participação em nosso fórum, pedimos que leia:
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.] Veja os [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.];
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.] Como Postar[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.];
 
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
 

avatar
MARTÍN
Administrador
Administrador


Masculino BRASIL
Mensagens : 3138
Pontos : 4709
Idade : 38
CLUBE : KC 286 - SORB
CIDADE/CITY : S. J. do Rio Preto
ESTADO/PROVÍNCIA : São Paulo

Ver perfil do usuário https://www.facebook.com/universocriadouro/ https://www.facebook.com/criadouro.universo https://twitter.com/udoscanarios https://pinterest.com/universocanario/ fabio-martin@hotmail.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Botão em Curso Re: Como combater a Candidíase nas aves (sapinho).

Mensagem por José Carlos Pereira em Ter 27 Ago 2013, 17:47

Infelizmente, a maioria dos criadores procura focar os tratamentos. Quando o mais factível, fácil e com bons resultados seria focar nas medidas preventivas. Gostaria de complementar o trabalho postado pelo Martin.
Criar, qualquer que seja o animal, depende de três vertentes que podem ser representadas por três círculos entrelaçados:
Nutrição, Ambiente e Genética. O entrelaçamento mostra que elas são interdependentes.
Criar bem é conseguir manter qualidade nas três vertentes.
Acompanho a criação de animais, inclusive por dever profissional, há dezenas de anos, e sempre chamou a atenção o fato dos criadores de sucesso manejarem bem genética, nutrição e ambiente. 
Sempre ouço criador dizer que os seus resultados são bons com determinados métodos, como o uso profilático de antibióticos. O que não sabe é que os seus resultado seriam muito melhores se usassem bem genética, nutrição ambiente.
José Carlos
CANDIDÍASE
                                      José Carlos Pereira
                                      Criadouro Caviúnas
É a infecção micótica ocasionada por algumas espécies de fungo (levedura) do gênero Candida, o qual, faz parte do grande grupo dos Fungi Imperfect ou Deuteromycetes, capazes de se reproduzirem somente por meio assexuado formando brotos ou gêmulas. 
A Candida pode apresentar três diferentes formas: blastósporos, redondos ou ovais, conhecidos por células de leveduras ou fermentos que medem 3 a 6 milimicra de diâmetro, clamidósporos, com dupla parede, medindo de 7 a 17milimicra e que aparecem comumente na porção terminal de uma pseudohifa e o pseudomicélio, massa de pseudohifas que caracteriza a fase tissular da Candida.
A espécie mais comum e conhecida é a Candida albicans, mas outras candidas como a C. tropicalis, a C. parapsilosis, a C. lusitaniae, a C. guilliermondii, a  C. tropicalis, a C. krusei e muitas outras podem ser patogênicas. A C. parapsilosis tem predisposição particular para ocasionar endocardites. A C. tropicalis é responsável por um terço dos casos de candidíases profundas nas pessoas neutropênicas (baixos índices de neutrófilos).
Antigamente o gênero era denominado Monilia e, ainda, hoje, o termo monilíase é usado para as infecções da pele ou das mucosas determinadas pela Candida.
Todas as candidas patogênicas para o humano  são também encontradas na boca, na vagina e nas fezes dos próprios humanos como comensais. E nada impede que aconteça o mesmo com os pássaros. E todas crescem rapidamente em meios simples entre 25 a 37 graus centígrados de temperatura como células ovais ou arredondadas. Em meios especiais de cultura  e nos tecidos  formam, com exceção da C. glabrata, antigamente conhecida por Torulopsis glabrata, hifas ou estruturas ramificadas chamadas pseudohifas.
Nos bebês humanos a candidíase se apresenta nas duas formas clássicas conhecidas de todas as mães: 1- A infecção da mucosa da boca, mucosa faríngea e língua que surge entre sete e dez dias após o parto e adquirida durante o mesmo. É o sapinho que pode ser recorrente ou persistente durante o primeiro ano de vida, principalmente se  a criança for submetida a antibióticos. As placas brancas do sapinho são superficiais e podem ser encontradas na mucosa bucal, lábios, palato (céu da boca) e na língua. A remoção das placas brancas ocasionam pontos de sangramentos. O sapinho pode não apresentar sintomas ou ocasionar desconforto, dor e diminuição da alimentação. As lesões dos ângulos labiais (queilite) podem ser muito dolorosas. O sapinho também pode ser encontrado em pessoas adultas imunocomprometidas. Nos pássaros as lesões da boca provocadas pela Candida são semelhantes às do sapinho: placas de pseudomembranas brancas cobertas por muco que podem exalar odor forte. As membranas, que provocam pontos de sangramentos se removidas, podem ser encontradas na comissura dos bicos, dificultando muito a alimentação. A necrose da língua, anormalidades do bico, podendo chegar à necrose, principalmente no superior e impactação alimentar são encontrados nos pássaros adultos e 2- Dermatite das fraldas, é a mais comum infecção provocada pela Candida. Geralmente surge nas áreas intertriginosas do períneo e consiste de lesões vermelhas, papulosas que são confluentes e com lesões satélites.. Pode ser secundária a outras dermatites das fraldas não infecciosas (assaduras) ou complicação secundária ao uso de antibióticos para infecções como as do ouvido.
A candidíase congênita pode ocorrer em neonatos normais e consiste de lesões disseminadas, principalmente nas áreas intertriginosas da pele, com rash maculopapular, com vesículas e pústulas. Geralmente não há ou há muito pouco acometimento das mucosas. Raramente pode haver pneumonia que, quase sempre, é muito grave. Presumivelmente seja ocasionada por infecção ascendente de mães com colonização intensa da vulva pela Candida.
É possível que fêmeas de pássaros com candidíase da cloaca e tubo digestivo contaminem os seus filhotes logo que saiam dos ovos. Se esses filhotes estiverem recebendo da mãe alimentos contendo antibióticos, a possibilidade de quadros mais graves fica evidente.
Após invadir a corrente sangüínea a Candida pode chegar a qualquer órgão dos pássaros, sendo demonstrada por vários trabalhos no sistema nervoso central, vias respiratórias e olhos. É quase certo que muitas diarréias encontradas em pássaros, principalmente nos mais jovens, sejam determinadas por ela, principalmente se os pássaros estiverem consumindo antibióticos ou corticosteróides. Os filhotes, por terem um sistema imunológico deficiente e defesas da mucosa gastrintestinal ainda não desenvolvidas, são mais sujeitos à candidíase primária.
Nas crianças maiores e adultos com imunidade normal a Candida pode provocar quadros de onicomicose (micose da unha) e paroníquia (infecção do tecido em volta da unha). Diferentemente das micoses das unhas determinadas por fungos dos gêneros Tricophyton e Epidermophyton, a Candida tem propensão a acometer mais as unhas dos dedos da mão e muito pouco as do pé e ser acompanhada por paroníquia, além de responder ao tratamento local e raramente exigir terapia oral. Não encontrei nada sobre acometimento das unhas dos pássaros pela Cândida, mas é provável que exista. Infecções primárias pela Candida foram encontradas nos pés de aves aquáticas.
A candidíase do esôfago geralmente é assintomática, mas pode apresentar dor retroesternal ou sensação de obstrução. A maioria atinge o terço distal do esôfago com placas brancas, úlceras e edema.
Nas aves a Candida está implicada muitas vezes como causadora de ingluvite (infecção do papo), conhecida pelos autores anglo-saxões por sour crop, ou seja, papo fermentado ou azedo. A Candida pode infectar primariamente o papo ou ser secundária a lesões da mucosa do esôfago ou ao lento esvaziamento do papo. Sem dúvidas o papo é a principal localização da Candida. A ingluvite dos filhotes se manifesta por falta de apetite, regurgitação ou vômitos, aumento do tempo de esvaziamento e impactação do papo. Nos pássaros de maior idade o papo pode estar distendido por muco e o seu esvaziamento dificultado por material necrótico da mucosa.
Em filhotes muito novos já foi encontrada nos pro ventrículos ou ventrículos sem acometer o papo. Os filhotes, por terem um sistema imunológico deficiente e defesas da mucosa gastrintestinal ainda não desenvolvidas, são mais sujeitos à candidíase primária como já foi dito.
Embora os psitacídeos sejam especialmente mais sujeitos às infecções, elas podem atingir qualquer espécie de aves, inclusive os pássaros. Como nos humanos, a Candida pode evoluir de comensal para patogênica quando há quebra no equilíbrio da flora intestinal, como acontece com o uso de antibióticos de largo espectro, diminuição das defesas da mucosa intestinal ou lesões da mesma.
Pássaro infectado pela Cândida, por deixar de comer e ser espoliado muitas vezes por diarréia, fatalmente evoluirá para quadros graves de desnutrição. A perda da coxim gorduroso subcutâneo e a enorme diminuição da massa muscular determinarão o chamado peito seco cujo sinal dominante é a projeção do esterno, o peito em quilha ou em faca. Numa boa parte das vezes a candidíase foi determinada pelo próprio criador pelo uso intempestivo de antibióticos. Diante da diarréia e do emagrecimento da ave o criador continua com o uso do antibiótico ou o troca por outro fechando o ciclo mortal: antibiótico-Candida-antibiótico.
PS: Bom deixar claro que o peito seco é um sinal de grave  desnutrição ocasionado por uma série de causas como erros alimentares, doenças consumptivas e infecções diversas. Portanto, peito seco não é em si só uma doença. .
A candidíase crônica muco cutânea manifesta-se por lesões hiperceratósicas (formação anormal da camada córnea da epiderme) circunscritas, alterações distróficas das unhas, alopécia parcial do couro cabeludo acompanhadas por sapinho oral e vaginal. Mesmo na pele não macerada dos pássaros, como acontece na cabeça e no pescoço, foram encontradas lesões pela Candida, devendo ser levada em conta no diagnóstico diferencial das dermatoses, inclusive com perda de penas.
As infecções pela Candida são mais freqüentes e graves nas pessoas imunocomprometidas. Os bebês humanos prematuros, principalmente submetidos antibioticoterapia prolongada, uso de cateter intravascular, superalimentação intravenosa e desnutridos, apresentam maiores possibilidades de sepse (infecção generalizada) pela Candida com distúrbios respiratórios, bradicardia, apnéia, instabilidade térmica, intolerância à glicose e sinais abdominais. O envolvimento renal se faz presente, assim como podem acontecer focos no fígado e no baço. Acometimento do sistema nervoso central. Endoftalmite com lesões retinianas, endocardite e osteoartrite mais comumente dos joelhos. Pneumonia. Abscessos cerebrais ou meningite crônica.  Quase 90% das candidíases nos imunocomprometidos é determinado pela C. albicans, sendo os outros casos determinados pela C. tropicalis, C. parapsilosis, C. glabrata, C. lusitaniae, C. krusei e C. guilliermondii.  Importante que, quando infecta um sistema orgânico, é quase certo haver outros órgãos afetados.
A candidíase sistêmica, geralmente muito grave, eu tenho certeza ser mais comum nos pássaros do que dizem alguns autores. Isso porque a grande maioria dos pássaros é medicada pelos próprios donos ou as infecções não são diagnosticadas. Além de ela ser potencializada por estresses muito comuns nos criadouros.
Gostaria de fazer um adendozinho. Falei de passagem, mas gostaria de aprofundar um pouco. É muito comum entre os passarinheiros o uso de antibióticos, muitos deles de largo espectro, para “evitar”doenças. Inventam moda porque são raríssimos os casos na medicina em que há esta indicação para os antibióticos. Ainda por cima é comum o uso de antibióticos formulados para humanos e em doses e espaçamentos aleatórios. Além dos casos de intoxicações e reações alérgicas, os pretensos casos de sucesso serão pagos lá na frente,com juros e altíssima correção monetária, com duas moedas: 1- Aumento no criadouro das infecções por parasitas oportunistas, caso da Candida e 2- Seleção na criação de bactérias resistentes aos antibióticos. Daí, amigos, essa alta mortalidade e morbilidade encontrada na criação de pássaros. Dizem que de médico, no nosso caso, de veterinário, e de louco todo mundo tem um pouco. Só que esse pouco tem um alto preço. Numa criação mantida com rígidas normas de higiene ambiental, nutricional e psicológica, com os pássaros em perfeitas condições de saúde (e um pássaro vindo de uso de antibióticos em longo prazo jamais poderá ser considerado como saudável), o uso de antibióticos e/quimioterápicos será muito raro e, quando necessário, os resultados serão colhidos com poucos dias de uso.
O tratamento da candidíase pode ser feito pelos medicamentos citados anteriormente. Voltamos a afirmar que todo tratamento deve ser feito com a orientação do veterinário após o diagnóstico correto. Assim não sendo, irá se submeter o pássaro a medicamentos que apresentam, como todo medicamento, reações colaterais e toxicidades. Uma informação: a nistatina é antibiótico específico para infecções por Candida. É comum nos depararmos com informações do seu uso pelos passarinheiros em infecções nas quais nem ela mesma sabe que age. Jogar dinheiro fora e atanazar a pássaro.
O papel importante dos criadores, como em todos os controles de parasitas, é tomar as medidas higiênicas para evitar que a Candida apareça e tome assento nos criadouros:
-Manter os pássaros bem nutridos porque a desnutrição diminui a resistência da mucosa e de todo o organismo aos parasitas. E não é só a desnutrição calórico-proteica em sua dimensão máxima visível, mas também a desnutrição ocasionada pela falta na dieta de micro elementos ou elementos traços, caracterizando a fome oculta. Embora geralmente não ocasione quadros clínicos chamativos, a fome oculta ocasiona problemas metabólicos seríssimos aos animais. Isso mostra a importância de não só dar alimentos aos pássaros, mas de propiciar a eles todos os nutrientes necessários em doses e balanceamentos adequados;
-Os fungos gostam da umidade. Portanto, ambientes úmidos e escuros, sem ventilação, são convites aos bolores e leveduras;
-Muito cuidado com validade e estocagem dos alimentos e com a manutenção deles por muito tempo nos cochos ou outros vasilhames;
-Evitar estresses, outro fator para a diminuição da resistência. Ambientes barulhentos e iluminados à noite, gaiolas muito pequenas e a superpopulação (as Chinas aladas) estão entre os mais comuns;
-Higiene das gaiolas. Gaiolas e poleiros imundos, o que não é muito difícil de serem vistos, favorecem muito o surgimento dos fungos. Extremo cuidado com o piso dos viveiros, principalmente o feito de terra;
-Usar os antibióticos, principalmente os de largo espectro, somente com a indicação de profissional habilitado após o diagnóstico correto e a indicação precisa. Esse negócio de ficar atirando a torto e a direito, tentando cercar os parasitas por adivinhação, jamais foi boa prática médica. Creio ser esse o maior erro cometido pelos passarinheiros com as suas aves. O desequilíbrio da flora e a criação de bactérias resistentes, com toda certeza, são as principais causas das altas mortalidades encontradas nos criadouros, principalmente entre os filhotes. Isso, aliado à desnutrição, torna inviável qualquer projeto de boa criação de pássaros. Hoje já são muitas as Candidas resistentes ao cetoconazol, um dos fungicidas mais usados pelos passarinheiros atualmente;
-Não descuidar da quarentena à qual devem ser submetidos todos os pássaros que chegam ao criadouro, inclusive aqueles que vão aos torneios, o que, facilita muito o trânsito de fungos, bactérias e vírus;
-Cuidado intensivo das mãos de quem mexe com os pássaros. As mãos estão entre os maiores veiculadores de parasitas;
-Manter isolamento total do pássaro acometido por micoses.
avatar
José Carlos Pereira
Membro do Fórum
Membro do Fórum


Masculino BRASIL
Mensagens : 230
Pontos : 264
Idade : 77
CIDADE/CITY : Cruzeiro
ESTADO/PROVÍNCIA : SP

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum